sexta-feira, 7 de agosto de 2009

O que tenho lido em termos de quadrinhos

Em certa entrevista para a extinta revista Animal, Filippo Scozzari, ao ser questionado se lia alguma história em quadrinhos, respondeu da seguinte maneira: “Nada. Sou como um traficante, não consumo a droga que vendo.” E, porra, tenho me identificado muito com isso.

Sempre achei estranho autores como o Mutarelli dizerem que não liam muitos quadrinhos. “É um absurdo isso!”, pensava. No entanto, acredito que chega em um ponto que as coisas complicam (pelo menos pra mim foi assim!), pois já é muito desgastante ficar dias e dias na prancheta, e ainda, nos períodos de folga, manter os quadrinhos como hobby.

Porém, nos últimos tempos foram lançados alguns trabalhos que praticamente me obrigaram a adquirir, ambos prometiam muito! Estou falando dos livros Os Brasileiros, do André Toral, e Sábado dos Meus Amores, do Marcello Quintanilha, ambos da editora Conrad.

Em Os Brasileiros, o antropólogo André Toral narra algumas histórias sobre os indígenas brasileiros (que coisa, não?!), buscando pontos na história de nosso país. É uma abordagem muito interessante, pois, como explica o autor, ele não quis mostrar os índios como vítimas, mas como pessoas, que tomam decisões certas ou erradas. Os desenhos são lindos, tanto aqueles em branco e preto, utilizando técnicas como lápis e nanquim para arte-finalizar, quanto as páginas a cores, feitas em aquarela. As narrativas das histórias também são um caso à parte, trazendo um rítmo impecável para a forma com que o autor quis transmitir seus contos. Destaco duas histórias, em especial, “O Brasileiro”, por ter ficado perfeita para introduzir o livro e também pela própria história em si, que trás muitos elementos interessantes (sendo breve para não estragar as surpresar de quem ainda não leu!), e “O Iãgre", por tratar de temas que muito me agradam e também pelo ótimo estilo de desenho empregado. Enfim, um dos melhores quadrinhos que já li, tanto daqui quanto de fora. E Toral, se firma, novamente, como um dos grandes autores de quadrinhos brasileiros.

Já Sábado dos Meus Amores é um caso diferente. Explico. Ainda não acabei de lê-lo, e não sei quando irei terminar. Pode parecer paradoxal, mas eu ainda não terminei por falta de tempo ou porque não gostei, e sim porque gostei demais! Marcello Quintanilha conseguiu criar uma obra completamente inovadora, e inovadora de uma forma “contrária”, pois é uma realidade que todos nós, brasileiros, conhecemos muito bem. Havia lido “Fealdade de Fabiano Gorila” há um tempo, quando o autor ainda se chamava Marcello Gaú, se é que ele se chamava, e não consegui encontrar mais nenhum material dele. Como experiência foi um imenso “choque” ler Sábado dos Meus Amores (e olha que nem acabei ainda!). O Quintanilha entra fácilmente na galeria dos melhores roteiristas do mundo atualmente. Sua sensibilidade em recriar nossa realidade brasileira é marcante, por exemplo, na história “De como Djalma Branco perdeu o amigo em dia de jogo”, que é uma hq que me deixou boquiaberto. E os desenhos. Belíssimos! Um traço que beira o realístico, mas com características próprias, autorais. Ricamente pintado, o álbum mereceu todo o acabamento editorial que a Conrad concedeu. Ainda não acabei de lê-lo, e não sei quando irei terminar. Talvez quando o Quintanilha lançar outro livro, pois assim será ele que irei guardar...

Bom, estas foram as minhas últimas leituras em termos de quadrinhos. Agora, hora de voltar ao trabalho.

Abraços!

Jaum

Um comentário:

KH-NEIRA ZINE disse...

Jaum, tudo blz?
Cara, segui abaixo convite que o Victor do zine ATUM me enviou e repasso p/ vc, como não tenho seu email vai pelo blog.
Depois ce me fala
Falow / Dola

Dola,

Aqui quem vos fala é o Victor da revista A.T.U.M. estou entrando em
contato para convidá-lo a participar conosco na FIQ de Belo Horizonte,
estou fazendo ampla divulgação para ver se desperto interesse de mais
participantes com revistas independentes, dê uma olhada lá no blog da
A.T.U.M., e entre em contato conosco para combinarmos.

maiores detalhes no blog da revista A.T.U.M.

www.imarock.blogspot.com

Até mais,

Victor Maia